Este ano, o Brasil tornou-se o primeiro país sul-americano sede do maior evento esportivo do mundo. A cidade do Rio de Janeiro sediou os Jogos Olímpicos e Paralímpicos 2016. No Profundão deste ano estudaremos o papel da Engenharia de Produção no projeto e na gestão do evento.

O primeiro dia será dedicado à logística e à seção técnica comemorativa de 5 anos do projeto ENGATTI. O segundo dia irá tratar da organização do trabalho e da integração cultural e migração. No terceiro dia, aprenderemos sobre simulação e TI (Tecnologia da Informação) aplicada no projeto das Olimpíada e teremos um case de logística pelo Consulting Club.

Logística

Quais os desafios de fazer tudo estar no lugar certo, na hora certa? Essa pergunta é possivelmente um eufemismo para um evento em que foi preciso movimentar 30 milhões de itens, desde equipamentos esportivos e materiais de mídia até bagagens. Explorar o problema de manter o afinco e a eficácia dessa atividade durante quase um mês, com diferentes equipes, só acrescenta mais um tempero ao nosso tema.

E o mais incrível: deu certo! Vamos descobrir quais foram as dificuldades e como os problemas foram contornados.

 

Organização do Trabalho

Contando com o trabalho e dedicação de mais de 160 mil pessoas, sendo muitas delas inexperientes, o projeto das Olimpíadas Rio 2016, sem dúvidas, não é algo trivial. Além disso, a natureza de uma organização com data marcada para começar e acabar exige todo um processo de mobilização e desmobilização. Como foi feito o planejamento de um projeto tão singular como esse? Como enfrentar toda a incerteza e garantir o sucesso de um evento que não permite falhas?

 

Integração cultural e migração

A diversidade, a troca cultural, e a integração entre minorias étnicas, religiosas, de gênero ou refugiados são um desafio para o mundo moderno. O acolhimento se dá em forma de convívio público, ou seja, em escolas, comunidades, eventos da ONU – Organização das Nações Unidas – promovidos pelo PNUD – Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. O grande desafio é o convívio de longo prazo entre todas as culturas, com a preservação das identidades e das histórias das mesmas. Para isso as Olimpíadas são o maior exemplo de integração cultural entre os povos.

 

Simulação

As técnicas de modelagem e simulação aplicadas às operações de Megaeventos, como foram as Olimpíadas Rio 2016, podem agregar valor no planejamento de capacidades das vias de acesso, análise de cenários para a mobilidade, previsão de tamanho das filas em praças de alimentação, ou ainda planejar as melhores formas de atendimento a população em unidades de serviços, tais quais: ambulâncias, entretenimento, segurança, etc...

5 anos do projeto ENGATTI

O projeto ENGATTI tem por objetivo desenvolver aplicações da engenharia de produção realizadas pelos alunos e professores em diversas disciplinas do curso, em situações reais, atuando em organizações de interesse público. Desde 2011, vários projetos foram sugeridos (e alguns implantados) em instituições como: hospitais do INCA – Instituto Nacional do Câncer, IDT – Instituto de doenças do Tórax da UFRJ, Defesa Civil e ALERJ – Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro. Esta sessão técnica resumirá a trajetória do projeto.

Tecnologia da Informação

Como gerenciar e integrar usando TI? Com o exemplo das Olímpiadas iremos aprender sobre aplicação da tecnologia em prol da interatividade entre sistemas epessoas, com ganho de eficiência.

Consulting Club

O Consulting Club da UFRJ trará o professor Leonardo Marques, doutor em Logística e professor do Coppead, para resolver um case envolvendo distribuição de produtos nas Olimpíadas e para falar um pouco sobre os principais conceitos e desafios da área.